Madereira Portal
Auto Peças

Homem mata a esposa para ficar com a sogra

Bruno José da Costa confessou o crime, e afirmou que mantinha um caso com a sogra há quatro anos

Bruno José da Costa confessou o crime, e afirmou que mantinha um caso com a sogra há quatro anos

O delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial de Apucarana, no Paraná, Ítalo Sega, entregou na sexta-feira (17) à Justiça o inquérito que investiga o caso do homem suspeito de matar a mulher, a comerciante Jéssica Carline Ananias da Costa, 22 anos, e tentar forjar um latrocínio (roubo seguido de morte), para ficar com a sogra, Célia Forti, 48 anos, na cidade.

Segundo o delegado, o bacharel em Direito Bruno José da Costa, 26 anos, chamou a polícia no último dia 9, por volta de 3h, afirmando que sua esposa havia sido morta após um assalto na casa onde moravam os dois e a filha do casal, de 4 anos.

Ao chegar ao local, os policiais encontraram Jéssica amarrada e morta, com golpes de faca, no banheiro. Bruno afirmou que foi rendido quando deixava a residência para uma viagem ao Paraguai. Segundo ele, seu carro e uma quantia em dinheiro foram levados pelo assaltante.

De acordo com o delegado, o fato de Jéssica ter levado 25 facadas chamou a atenção da polícia, que passou a desconfiar da história contada por Bruno. Questionado pelos investigadores, ele afirmou manter um caso de quatro anos com a mãe da vítima, confessou o crime e a tentativa de forjar um latrocínio. Além disso, o suspeito disse que Célia sabia que ele mataria sua filha.

Após a confissão de Bruno, a polícia localizou e prendeu em flagrante Bruno Cesar Albino e Gelson Sabino da Silva, que ajudaram o suspeito a simular o crime. “Eles não tiveram participação na morte da vítima, mas ajudaram o Bruno a simular a situação, levaram o carro dele para que ele pudesse dizer que foi roubado”, afirmou Ítalo.

A mãe da vítima foi presa depois de passado o período de flagrante. Ela confessou o caso com seu genro, mas negou saber que ele cometeria o crime. Na acareação realizada pelos investigadores entre ela e Bruno, ela continuou negando saber que ele cometeria o crime, enquanto o suspeito manteve também sua versão.

“Acreditamos que ela (Célia) soubesse sim. Tanto é que, no dia do crime, a filha dos dois (Bruno e Jéssica) passou a noite na casa dela”, afirmou o delegado.

Bruno foi indiciado por homicídio qualificado e Gelson, Bruno Cesar Albino e Célia como coautores do crime.

Caso já havia sido descoberto
De acordo com o delegado, o caso entre Bruno e Célia havia sido descoberto pela vítima em janeiro deste ano. A comerciante e o suspeito passaram cerca de 20 dias separados, mas reataram a relação.

Os três homens, presos em flagrante seguem presos. Já Célia, indiciada, responderá ao processo em liberdade.

Fonte: Terra/VC Repórter

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marechal Notícias