Madereira Portal
Auto Peças

Série de ataques na Síria deixa ao menos 31 mortos

do rebelde Exército Livre Sírio reagem a um veículo queimado em um ataque aéreo do governo em Aleppo Foto: Reuters

do rebelde Exército Livre Sírio reagem a um veículo queimado em um ataque aéreo do governo em Aleppo Foto: Reuters

Pelo menos 31 pessoas morreram, entre elas uma menor, em bombardeios e enfrentamentos entre as forças do regime e as milícias opositoras nas últimas horas na Síria, informou neste domingo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Um bombardeio aéreo sobre a cidade de Rastan, na província de Homs matou 13 civis, entre eles duas mulheres e uma menor de idade. Além disso, dois membros das milícias rebeldes também morreram em Aleppo em confrontos com as forças de segurança do regime. Choques semelhantes provocaram a morte de outro membro da oposição em Deraa (sul).

Enquanto isso, outros dois combatentes opositores morreram na cidade de Bdama, na província de Idlib (noroeste), pela explosão de várias bombas durante a passagem do veículo em que viajavam.

Outro ataque a um carro, dessa vez contra as forças do regime, provocou a morte de pelo menos três soldados, perto da província de Hama, informou o OSDH, com sede em Londres e um amplo desdobramento de ativistas no terreno.

Em Manbaj, no nordeste de Aleppo, três membros da organização Estado Islâmico do Iraque e do Levante, vinculada à Al-Qaeda, morreram em confrontos com milicianos rebeldes, que também perderam dois de seus homens. Além disso, perto dessa cidade, foram encontrados três corpos, um deles decapitado.

Outro miliciano da oposição também morreu em enfrentamentos com o Estado Islâmico, perto da cidade de Yarabulus, nos arredores de Aleppo. Por fim, o OSDH informou a morte de outro civil em Damasco, que foi ferido há dois dias por bombardeios do regime na capital e que morreu hoje devido à gravidade dos ferimentos.

Os enfrentamentos acontecem dias antes de em 22 de janeiro começar na cidade suíça de Montreux a conferência “Genebra 2” para tentar chegar a uma solução negociada para o conflito sírio (que começou em março de 2011) e na qual se sentarão na mesma mesa o regime e a oposição.

Fonte: Terra

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marechal Notícias