Madereira Portal
Auto Peças

Após denúncias, Psol decide afastar vereador eleito em Maceió

O diretório municipal de Maceió do Partido Socialismo e Liberdade (Psol) afastou, na noite desta sexta-feira (19), o vereador eleito no último dia 7, Guilherme Soares. O candidato a vereador Edlúcio Donato também foi afastado após deliberação dos membros.

O presidente do Psol em Alagoas, Mário Agra, informou, por meio da rede social Facebook, os motivos que levaram o diretório a adotar essa postura. “Após diversas denúncias de compra de votos, resolvemos afastar Soares. Já Edlúcio foi afastado por infidelidade partidária, omissão é má fé”, colocou sem trazer maiores informações. Ainda na postagem, Mário Agra destacou que a direção nacional irá analisar a expulsão dos membros.

Desde o resultado do pleito, Soares vem sendo confrontado por supostas denúncias de compra de voto. Ele chegou a Câmara de Maceió devido à votação da vereadora Heloísa Helena (Psol) que teve quase 20 mil votos. Após as primeiras denúncias de compra de voto, o vereador divulgou uma nota à imprensa rebatendo todas as acusações.

A nota:

Antes de formalizar minha candidatura a vereador por Maceió pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), sabia que estaria entrando numa disputa acirrada. Mas aceitei o desafio e, durante três meses, realizei uma disputa limpa, corpo a corpo, de poucos recursos e muita disposição; e minha candidatura se consolidou nas urnas, com 3.265 votos e a segunda posição em meu partido, rendendo-me um inédito mandato de vereador.

Foi com muito esforço que alcancei essa vaga na Câmara de Vereadores, respeitando meus eleitores e meus colegas de partido, que fizeram belíssimas campanhas ao meu lado e ao lado da companheira Heloisa Helena, nossa maior referência política.

O PSOL conseguiu atingir o cociente eleitoral por duas vezes com a expressiva votação que alcançou em seu coletivo de candidaturas. Nenhum(a) candidato(a), sozinho(a), conseguiu bater o quociente eleitoral nestas eleições. E, por isso, sou grato a cada colega do PSOL que participou desta campanha e ajudou a transformar em realidade esses dois mandatos que teremos na próxima legislatura da Câmara Municipal de Maceió. Tenho certeza de que, entre as candidaturas postas pelo meu partido, quaisquer dois nomes que aparecessem nas primeiras posições representariam muito bem os 39.671 votos que recebemos.

Agora, após o resultado oficial ser divulgado, causa estranheza que minha candidatura, após eleita, seja colocada em “investigação” por “suspeita de compra de votos”. Motivo que me leva a escrever esta nota pública para esclarecer tal fato.

Primeiramente, friso que me filiei ao PSOL por ser defensor de uma Nova Forma de Fazer

Política, a qual é praticada dentro do meu partido desde sua fundação. Repudio a compra de votos, a politicagem fisiologista e rasteira que – infelizmente – outras agremiações partidárias praticam. Tenho certeza de que estou no partido com os melhores parlamentares do País e que protagoniza a maior defesa da Ética na Política e da Lei da Ficha Limpa. Por isso, reafirmo que realizarei este mandato alinhado ao Estatuto e ao Programa Político do PSOL, partido do qual faço parte por convicção.

Tomei conhecimento destas acusações sobre “compra de votos” apenas após o pleito, através da imprensa, e fiquei indignado com tal associação do meu nome ao crime eleitoral que me imputam – o qual nunca pratiquei! Na semana passada, ao ouvir boatos, entrei em contato com o Presidente do Diretório Municipal do PSOL/AL e então candidato a Prefeito por Maceió, Alexandre Fleming, o qual me infirmou qualquer veracidade sobre tal “investigação”.

Sem tempo a perder, pois estava em meus últimos dias de campanha, não me abati com tal informação descabida e simplesmente a ignorei. Agora, após o pleito e a minha vitória, é que vejo tais afirmações brotarem com maior vigor, forçando um tipo de degradação de minha candidatura por motivações que ainda desconheço – confio no caráter do meu suplente, Beto Brito, e sei que não é expediente dele fazer esse tipo de jogo de calúnia contra um coirmão na busca por pretensos benefícios.

Acredito ter sido fundamental a atitude do nosso Presidente Municipal, Alexandre Fleming, quando este encaminhou os dados de todos os candidatos do PSOL em Maceió ao Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AL), Polícia Federal (PF) e Ministério Público Eleitoral (MPE), pedindo investigação e afirmando que o partido não admitiria crimes eleitorais – a compra de votos e o cadastramento eleitoral dentre eles – por parte de seus filiados.

Essa investigação, sim, é que possui validade, pois clama aos órgãos competentes uma devassa sobre os candidatos: e eu não discordei dela! Agora, após as eleições, qual sentido tem uma investigação partidária, sem poder de polícia, mirando apenas um candidato que venceu as eleições? Pergunto: caso eu não tivesse vencido, essa investigação prosseguiria? Ou terá ela a finalidade eleitoreira de desgastar minha imagem perante a opinião pública e requerer – por via de chantagem – quaisquer tipos de benefícios com meu mandato?

Desafio qualquer cidadão que use de boa-fé a provar a veracidade dessa denúncia de compra de votos que imputam à minha pessoa. Não posso ser e não serei responsabilizado por algo que não fiz e que abomino!

Lanço esta nota para afirmar que fiz uma campanha limpa, que empreendi, ao lado de amigos, parentes e simpatizantes de minha candidatura, um esforço hercúleo para garantir esses 3.265 votos e conquistar esse mandato. Não comprei voto, sou ficha limpa, tenho uma vida limpa e farei um mandato irrepreensível, um mandato do PSOL, de oposição, ao lado do povo de Maceió, fiscalizando o Executivo, propondo e aprovando Leis do interesse de nossa população.

Guilherme Soares

Fonte: Cada Minuto

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marechal Notícias